Translate

sábado, 1 de junho de 2013

Dicas para como levar seu cão na viagem


Já cheguei à conclusão de que quem viaja muito deve evitar duas coisas: plantas e cachorros. Quando não há ninguém para dar uma passadinha na sua casa de vez em quando, as plantas são o maior problema. Elas aguentam bem um fim de semana, mas como deixá-las morrer de sede durante vinte dias, um mês? É por isso que seguro minha vontade de comprar mais um vasinho cada vez que vou ao supermercado. ;-) Já os bichinhos… Bom, depois que a gente se apaixona por um, não há mais como voltar atrás, ele realmente viraparte da família. Então a única saída é encontrar a melhor forma de levá-lo junto!
O Chivito completou 3 anos no mês passado e a primeira viagem de carro dele foi aos 3 meses. O coitadinho enfrentou quase 500 km até a casa  da minha mãe quando era ainda um bebê e desde então temos tentado fazer com que as viagens para ele sejam o mais confortáveis e seguras  possíveis. Já pesquisei muito e também aprendemos muita coisa na prática, então vou dar aqui algumas dicas que valem para todos que querem levar seus pets consigo. Viajar com cães pequenos é relativamente simples, desde que alguns cuidados sejam tomados. Então vamos lá!
Em primeiro lugar, é importante pensar na segurança do cachorro e do restante da família e para isso é importante seguir a lei. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, conduzir animais nas partes externas do veículo (como caçambas ou com parte do corpo para fora da janela) é infração grave sujeita à multa  (art. 235). Além disso, se o motorista dirigir com o animal à sua esquerda ou entre os braços e pernas, estará cometendo uma infração média e também poderá ser  multado (art. 252).
Apesar de a lei não obrigar que os animais seja  presos em coleiras ou caixas de transporte, transportá-los soltos não é uma boa opção. Em caso de acidente, o animal seria arremessado do carro ou mesmo contra outras pessoas dentro do veículo. O ideal é transportá-lo no banco traseiro, principalmente se o carro possuir air-bag, pois seu estouro pode até mesmo matar o animal. Aqui vale a mesma regra do transporte de crianças.
O cachorro solto representa ainda mais um risco na direção. Animais podem ser imprevisíveis, principalmente em situações estressantes, e podem pular no colo do motorista de repente. O melhor a fazer é evitar esse tipo de situação.

Existem as caixas de transporte, que  devem ter um tamanho suficiente para que o animal consiga ficar em pé e se virar e devem ser presas ao cinto de segurança do carro, mas eu sempre achei essa opção meio claustrofóbica.  Uma opção melhor é o cinto de segurança para cães, que ao mesmo tempo em que os prende, deixa uma margem para movimentação.
É importante se preocupar também com a temperatura no interior do veículo. O calor excessivo pode trazer sérias consequências ao animal. Se possível, mantenha o carro ventilado e nunca deixe seu pet sozinho, para que ele não sofra os efeitos do superaquecimento.
Em viagens longas, faça parada regulares, a cada duas ou três horas.  O Chivito tem um "prazo de validade" de cerca de duas horas. Após esse tempo ele fica super chato e resmunga o tempo todo. hehe Uma breve caminhada já restabelece seus ânimos.
Dê água ao animal com frequência. Eu já carrego as garrafinhas no carro e também uma vasilha menor para dar água a ele nas paradas e às vezes mesmo com o carro em movimento. Também não é recomendável que o animal se alimente nas últimas horas antes da viagem e até uma hora depois.
Só dei remédio ao Chivito em sua primeira viagem e foi a única vez em que ele passou mal. E ele não é um cachorrinho tranquilo, pelo contrário, não relaxa durante toda a viagem. Ainda assim prefiro não medicá-lo e  contornar a situação com paradas durante a viagem.
Preocupe-se também com o local da parada. Dê preferências a postos com área verde, gramados, árvores, para que o animal faça um passeio mais relaxante. Mas seja educado! Não se esqueça de carregar sempre uma sacolinha para recolher o que seu cãozinho deixar pelo caminho! ;-)
Você também ficará mais limitado, já  que geralmente animais não são aceitos dentro dos estabelecimentos, então o ideal são lanchonetes/restaurantes com mesas na área externa. Ainda é muito raro, mas já existem paradas na estrada com um espaço específico para  você deixar seu bichinho.